No mês de setembro, o Pantanal foi protagonista das mais tristes notícias envolvendo queimadas e devastação da fauna e flora regional. Infelizmente, nós pudemos observar de perto esse fenômeno, acompanhando a evolução do fogo e tomando todos os cuidados necessários para salvar o maior número de recursos e animais possíveis. 

Não vamos mentir, o estrago foi grande. Mas os esforços para combater os danos do fogo foram igualmente grandes, e graças a isso, conseguimos garantir algumas boas notícias durante o incêndio. 

Profissionais ajudando nos incêndios que assolaram o Pantanal. (Foto: SOS Pantanal)

COMO TUDO ACONTECEU?

No dia 10 de setembro, iniciou-se o primeiro foco de queimada numa fazenda vizinha, ao norte do Refúgio Ecológico Caiman. O fogo atravessou o rio Aquidauana e atingiu a fazenda, já colocando toda a nossa equipe em alerta. 

Queimadas que devastaram o Pantanal no mês de setembro. (Foto: SOS Pantanal)

Foram necessários mais de 200 brigadistas para diminuir os danos do fogo. Entre eles, profissionais do Ibama, PrevFogo, ICMBio, Forças Armadas, Bombeiros, Suzano Papel e Celulose e diversos voluntários. Todos unidos da melhor forma possível para salvar o máximo de recursos que pudessem.

Hoje, sabemos que foram mais de 35 mil hectares devastados pelo fogo, área que corresponde a 49 campos de futebol. No entanto, apesar de toda a perda vegetativa, tivemos ótimas notícias sobre os animais monitorados: 7 onças em segurança confirmadas

Na noite do dia 12 de setembro, nossa equipe avistou a Nusa, uma das onças acompanhadas por nós. Também registramos atividades normais nos colares GPS de outros dois indivíduos, a Natureza e a Fera (uma das onças reintroduzidas em 2016), indicando que elas estão bem e conseguiram escapar do fogo. E assim, de uma em uma, confirmamos 7 onças bem e saudáveis.

Nusa, umas das onças avistadas em segurança. (Foto: Victória Pinheiro)

Sinal de GPS indicando o trajeto das onças.

ESFORÇOS PARA SALVAR O JATOBAZINHO 

As principais preocupações no momento eram os bichos locais, além de estruturas que abrigam colaboradores, hóspedes e animais. Então, assim que percebemos que o incêndio tomaria grandes proporções, corremos para resgatar o Jatobazinho, a onça-pintada que está sendo preparada para ser reintroduzida e que estava em nosso recinto bem no meio da fazenda. 

Jatobazinho, onça resgatada do recinto durante os incêndios no Pantanal. (Foto: Leonardo Gomes)

No caminho do resgate, o fogo já havia se espalhado rapidamente, mas conseguimos retirá-lo da área a tempo de levá-lo para a pista de pouso, onde um avião já o esperava para transportá-lo até o projeto Onças do Rio Negro, na Fazenda Vera Lúcia. Lá, o animal ficaria protegido e continuaria sendo monitorado por nossa equipe. 

REFORMA DO RECINTO DE REINTRODUÇÃO

Hoje, o Jatobazinho já está voltando para a Fazenda Caiman em segurança. Mas, como boa parte do recinto foi atingido pelo fogo, precisamos da sua ajuda para reformá-lo e continuar os trabalhos para reintroduzi-lo na natureza e fazer o mesmo com outras onças no futuro. 

Onça acuada, precisando de ajuda para retornar à natureza. (Foto: Divulgação)

Por isso, nós do Onçafari lançamos uma campanha de financiamento coletivo, onde todos podem ajudar nos esforços de recuperação do Pantanal, afim de garantir uma boa estrutura à nossa fauna. 

A arrecadação servirá não apenas para a reconstrução do recinto, mas também para a restauração dos recursos hídricos e da flora local, trabalhando o Pantanal e ecossistema como um todo. Partiu colaborar? Quanto mais pessoas se juntarem por essa causa, mais chances de regeneração do bioma nós teremos! 

Envie sua mensagem