Não há pantaneiro que cresça sem conhecer os mitos da onça-pintada. Ela é uma das principais figuras utilizadas para amansar as crianças da região: “não vá aí que tem onça”, “se desobedecer a onça vai pegar você”. Ela está presente nas lições passadas de pai para filho e nas canções que embalam a vida dos peões. 

A onça-pintada é o maior felino das Américas. (Foto: Eduardo Fragoso)

Desde os primórdios, o que se ouvia era o poder que a onça tem. Por causa dela, os peões faziam até pactos com o saci-pererê antes de sair em comitiva. Pela tradição, procuravam uma figueira mata-pau, árvore sagrada para muitos indígenas, e assobiam três vezes para o saci. Em troca de proteção contra o felino, levavam oferendas como fumo, pinga e mel.

Para muitos nascidos na região, a onça era capaz de matar, ferir e causar prejuízos. Isso, no Pantanal de Miranda, antes de nós aparecermos para apaziguar a milenar relação conflituosa entre homem e bicho. Hoje, celebra-se por aqui a fortuna diária de se avistar uma onça-pintada passeando sorrateira, livre, segura, protegida e selvagem. 

 

O animal centenário 

Ao longo de sua área de ocorrência, a onça recebe diversos nomes: jaguares, yaguaretés, jaguaretês, tigres, canguçus, pintadas, pinimas, pinimas-malha-larga e pixunas. São os maiores felinos viventes da América. 

Antes das Américas serem dos homens, as onças-pintadas já exibiam seus corpos malhados por terras cobertas de verde. Por mais de 100 mil anos, gerações do animal foram soberanas. Só encontraram rivais à altura de seu poder de caça quando o ser humano apareceu. Foi justamente com as onças que nossa espécie aprendeu a sobreviver no Novo Mundo. Primeiro, lições para nos escondermos na mata. Depois, lapidou-se o talento para caça. Passamos a dividir com os felinos as mesmas presas, o mesmo espaço. Passamos a nutrir por elas medo e admiração. 

A onça-pintada marca presença nas lendas pré-hispânicas da América Central. Faz parte da cultura oral passada por gerações, durante séculos, entre os povos da floresta continente afora. 

 

Desde os primórdios, o animal já nos causa admiração. (Foto: Lawrence Weitz)

 

Para nós a onça é muito mais do que uma espécie típica pantaneira, ela carrega história, cultura, tradições. Sua conservação auxilia na proteção de todo um ecossistema, no desenvolvimento sustentável de uma região e no fortalecimento de uma cultura rica. Nós lutamos e contamos com a sua ajuda para que a rainha das florestas continue selvagem, forte e apta a continuar reinando nas florestas das Américas por milhares de gerações que ainda estão por vir.

Essas e outras histórias você encontra no livro “A onça na cultura pantaneira”, escrito por Adriano Gamberini, Laís Duarte e Mario Haberfeld, co-fundador e presidente do Onçafari. 

Envie sua mensagem