Papagaio-verdadeiro (Amazona aestiva) com brown, mutação rara na natureza, no Refúgio Ecológico Caiman, no Pantanal – Foto: Fábio Paschoal

*Por Fábio Paschoal

Um papagaio-verdadeiro diferente tem sido observado com certa frequência pela equipe do Onçafari no Refúgio Ecológico Caiman (REC), no Pantanal. A ave se destaca por sua coloração amarela e é facilmente avistada entre seus companheiros verdes.

Segundo Hein Van Grouw, curador sênior do setor de aves do Museu de História Natural de Londres e especialista em aberraçoes cromáticas em aves, o papagaio em questão possui uma mutação chamada de Brown (marrom), popularmente conhecida como cinamon (canela) entre criadores de aves. “Os dois pigmentos responsáveis ​​pela coloração da plumagem em todos os papagaios são eumelanina e psitacina. A psitacina é vermelha, laranja ou amarela, enquanto a eumelanina é preta. A cor verde na maioria das espécies de papagaios, no entanto, não é causada por um único pigmento; é o resultado da combinação da melanina negra, a estrutura das penas e a psitacina amarela.”

Segundo Grouw, uma estrutura especial das células das penas dos papagaios faz a luz ser distorcida e a eumelanina negra é vista por nós como azul. Quando a psitacina amarela está presente, a coloração do animal é verde (azul + amarelo = verde).

Papagaio-verdadeiro com brown (à esquerda) e papagaio-verdadeiro com coloração normal no Refúgio Ecológico Caiman, no Pantanal – Foto: Edu Fragoso

“A mutação Brown afeta a síntese de eumelanina, resultando em um pigmento oxidado e incompleto que é marrom e não preto. Neste papagaio ainda há eumelanina presente (tanto no bico quanto na plumagem), mas é mais claro e, portanto, o verde é mais claro (mais amarelado)”, diz Grouw.

Segundo Gláucia Seixas, coordenadora do Projeto Papagaio-verdadeiro, vinculado ao Parque das Aves e Fundação Neotropica do Brasil, a mutação dificilmente é encontrada na natureza. A única vez em que ela havia visto uma ave com essa condição no REC foi em 1998, no início do projeto. “Em 1998, quando vimos um papagaio com essa mutação  não tínhamos maquinas fotográficas potentes como agora. Não sei ao certo se é o mesmo o indivíduo, mas pode ser (considerando que eles vivem 60 anos)”.

A coloração diferenciada faz com que a ave se destaque na vegetação e entre os outros papagaios verdes. Assim, fica mais fácil de ser identificada como alvo por um possível predador. O acasalamento também poderia ser prejudicado, porém o papagaio amarelo do REC já é adulto e arranjou um par, um papagaio-verdadeiro com coloração normal.

Agora, Glaucia deseja encontrar o ninho do casal para fazer um trabalho de análise genética e checar os filhotes.

*Fabio Paschoal é biólogo, jornalista e guia de ecoturismo. Foi editor e repórter de National Geographic Brasil por 5 anos e hoje é produtor de conteúdo do Onçafari e da GreenBond

Comentários

  • Jonatan Cristian Gonzaga disse:

    Oi, tudo bom?
    Eu queria saber se os Senhores trabalham com Zootecnistas?
    Vocês trabalham tambêm com comportamento de animais silvestres?
    Qual a localidade da instituiçao onça fari?
    Muito obrigado pela atenção

    • haberfeldm disse:

      Olá Jonatan! Não possuímos nenhum Zootecnista em nossa equipe. Nosso trabalho é focado no Ecoturismo para avistamento de onças-pintadas, no Pantanal Sul Mato Grossense. Obrigado pela mensagem!

Envie sua mensagem