Rinoceronte-branco, búfalo, elefante, leopardo e leão, os Big 5 da África – Fotos: Fábio Paschoal

*Por Fábio Paschoal

Leopardo, elefante, rinoceronte, leão e búfalo, os famosos Big 5 (os cinco grandes). Eles eram considerados os animais mais difíceis de serem caçados na África. Hoje, se transformaram nas estrelas mais fotografadas pelos turistas nos safáris do país.

[Veja o post Big 5 do Pantanal]

As operadoras de turismo se apropriaram do termo, usado somente por caçadores anteriormente, para campanhas de marketing. E o negócio deu certo. As pessoas ficam tão obcecadas pelos Big 5 e muitos dos passeios são direcionados para a observação dos cinco grandes.

 De densas florestas até os desertos mais secos, de montanhas elevadas até as areias das praias. O elefante-africano (Loxodonta africana) é encontrado em 37 países diferentes na África. Porém, isso não significa que se encontra em boas condições. A perda e a fragmentação do habitat e os caçadores, que procuram o marfim para vender no mercado negro, são ameaças constantes ao maior animal terrestre do planeta. No entanto, as reservas e os parques nacionais oferecem refúgios para esses animais, e a população segue aumentando. Status na IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza, na sigla em inglês): espécie vulnerável - Foto: Fábio Paschoal

Elefante-africano (Loxodonta africana): espécie vulnerável, segundo a IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza, na sigla em inglês) – Foto: Fábio Paschoal

1. Elefante

De densas florestas até os desertos mais secos, de montanhas elevadas até as areias das praias. O elefante-africano é encontrado em 37 países diferentes na África. Porém, isso não significa que s espécie se encontra em boas condições. A perda e a fragmentação do habitat e os caçadores, que procuram o marfim para vender no mercado negro, são ameaças constantes ao maior animal terrestre do planeta. No entanto, as reservas e os parques nacionais oferecem refúgios para esses animais, e a população segue aumentando.

Os leões são os mais sociais de todos os felinos. Fêmeas da mesma família formam bandos, enquanto os machos se unem em coalizações para tentar conquistar um bando. Caçam de forma cooperativa e podem derrubar presas grandes, como girafas, búfalos, hipopótamos e até elefantes. Mas também se alimentam de animais de pequeno porte e, em situações de desespero, podem comer carniça. São caçados em retaliação pela morte de pessoas e do gado na África. Seus ossos também podem ser vendidos para a fabricação de medicamentos. Eles entram como substitutos dos ossos de tigre que se tornam cada vez mais raros. Status na IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza, na sigla em inglês): vulnerável - Foto: Fábio Paschoal

Leão (Phantera leo): espécie vulnerável, segundo a IUCN – Foto: Fábio Paschoal

2. Leão

O leão é o mais social de todos os felinos. Fêmeas da mesma família formam bandos, enquanto os machos se unem em coalizações para tentar conquistar um bando. Caçam de forma cooperativa e podem derrubar presas grandes, como girafas, búfalos, hipopótamos e até elefantes. Mas também se alimentam de animais de pequeno porte e, em situações de desespero, podem comer carniça. São caçados em retaliação pela morte de pessoas e do gado na África. Seus ossos também podem ser vendidos para a fabricação de medicamentos. Eles entram como substitutos dos ossos de tigre que se tornam cada vez mais raros.

De desertos a florestas, o rinoceronte-negro (Diceros bicornis) pode sobreviver em habitats totalmente diferentes. O animal prefere as savanas africanas, onde se alimenta de folhas de acácias e plantas herbáceas. Os chifres dos animais – feitos de queratina (mesma substância encontrada em nossas unhas) – são utilizados na medicina chinesa para o tratamento de doenças, incluindo o câncer. A população da espécie sofreu uma redução de 98% entre 1960 e 1995 devido à caça ilegal para abastecer esse mercado mesmo sem estudos que comprovem a eficácia do tratamento. Status na IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza, na sigla em inglês): espécie criticamente ameaçada- Foto: Fábio Paschoal

Rinoceronte-negro (Diceros bicornis): espécie criticamente ameaçada, segundo a IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza, na sigla em inglês):- Foto: Fábio Paschoal

3. Rinoceronte

Tanto o rinoceronte-negro pode sobreviver em habitats totalmente diferentes. O animal prefere as savanas africanas, onde se alimenta de folhas de acácias e plantas herbáceas. Os chifres dos animais – feitos de queratina (mesma substância encontrada em nossas unhas) – são utilizados na medicina chinesa para o tratamento de doenças, incluindo o câncer. A população da espécie sofreu uma redução de 98% entre 1960 e 1995 devido à caça ilegal para abastecer esse mercado mesmo sem estudos que comprovem a eficácia do tratamento. O rinoceronte-branco também sofre com o tráfico, mas a população da espécie é classificada como “quase ameaçada” pela IUCN.

Um dos animais mais furtivos da África, o leopardo (Panthera pardus) anda em seu habitat como um fantasma. Sua população é maior que o dobro das populações de leões e guepardos juntas. No entanto, é muito mais difícil ver um leopardo em um safári do que qualquer outro grande felino. A conversão de seu habitat em plantações e pasto, a retaliação de fazendeiros que querem proteger seus rebanhos e a competição com humanos por presas fazem com que a população da espécie siga diminuindo. Status na IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza, na sigla em inglês): espécie quase ameaçada - Foto: Fábio Paschoal

Leopardo (Panthera pardus): espécie vulnerável segundo a IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza, na sigla em inglês) – Foto: Fábio Paschoal

4. Leopardo

Um dos animais mais furtivos da África, o leopardo (Panthera pardus) anda em seu habitat como um fantasma. Sua população é maior que a psopulações de leões e guepardos. No entanto, é muito mais difícil ver um leopardo em um safári do que qualquer outro grande felino. A conversão de seu habitat em plantações e pasto, a retaliação de fazendeiros que querem proteger seus rebanhos e a competição com humanos por presas fazem com que a população da espécie siga diminuindo.

Os búfalos-africanos (Syncerus caffer) machos (foto) podem pesar duas vezes mais do que as fêmeas, possuem chifres mais robustos e pescoços mais grossos. Quando há abundância de comida os animais formam grupos de até 2 mil indivíduos, mas quando chega a temporada de seca a manada se dispersa. Status na IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza, na sigla em inglês): pouco preocupante - Foto: Fábio Paschoal

Búfalo-africano (Syncerus caffer): a espécie está na categoria pouco preocupante da IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza, na sigla em inglês):  – Foto: Fábio Paschoal

5.Búfalo-africano

Os búfalos-africanos machos (foto) podem pesar duas vezes mais do que as fêmeas, possuem chifres mais robustos e pescoços mais grossos. Quando há abundância de comida os animais formam grupos de até 2 mil indivíduos, mas quando chega a temporada de seca a manada se dispersa.

DICAS

Se estiver em um safári na África, não gaste todo o seu tempo procurando os Big 5. Quando você foca em apenas cinco espécies acaba perdendo tempo para rastreá-las. Animais, que podem ser muito mais interessantes do que as estrelas dos safáris africanos, acabam sendo deixados de lado. Os cinco grandes são fantásticos, mas a África tem muito mais a oferecer.

PARA QUEM GOSTA DE COMPLETAR LISTAS

No Brasil, algumas operadoras de turismo criaram os Big 5 do Pantanal para tentar promover o ecoturismo na região. Não existe consenso, mas nós fizemos nossa lista: onça-pintada, tamanduá-bandeira, anta, cervo-do-pantanal e capivara.

Menos explorados pelas operadoras de turismo, os cinco pequenos (Little 5) africanos são animais com nomes em inglês que correspondem aos Big 5: Rhinoceros Beetle (besouro rinoceronte, na tradução literal), Buffalo Weaver (Búfalo tecelão, na tradução literal), Elephant Shrew (musaranho elefante, na tradução literal), Leopard Tortoise (jabuti leopardo, na tradução literal) e Ant Lion (formiga leão, na tradução literal).

Em minha primeira viagem à África, fui apresentado aos cinco feios: marabu, abutre, javali, hiena e gnu, mas acredito que eles também devem variar de lugar pra lugar.

*Fabio Paschoal é biólogo, jornalista e guia de ecoturismo. Foi editor e repórter de National Geographic Brasil por 5 anos e hoje é produtor de conteúdo do Onçafari e da GreenBond

Envie sua mensagem