Depois de 25 anos de comércio proibido, a China, na manha de ontem (29/10) resolveu liberar novamente a comercialização de produtos derivados de Tigres e Rinocerontes, como chifres e ossos no país.

Ossos e pele de tigres expostos. Fonte: Imagens da internet

Este passo enorme na direção contrária da conservação foi anunciado pelo primeiro-ministro Li Keqiang. Ele reforçou que somente em circunstâncias particulares a comercialização poderá ocorrer, como para “pesquisas científicas” ou “tratamentos médicos”.

 

Chifres de rinoceronte medidos apreendidos pelo Departamento de Vida Selvagem de Kuala Lumpur. Fonte: Manan Vatsyayana/Agence France-Presse — Getty Images

Apesar da liberação ser somente para alguns médicos de hospitais cadastrados na Administração Nacional de Medicina Tradicional, e dos produtos serem oriundos de fazendas de criação de tigres na China,  ambientalistas temem que essa medida possa reascender a chama do comércio ilegal de produtos de vida selvagem, que já vem devastando espécies há anos como rinocerontes na África e tigres na Ásia.

Tigresa com filhotes. Fonte: internet

Tigres e Rinocerontes são animais criticamente ameaçados na natureza, e foram levados à beira da extinção principalmente pela caça excessiva, para a comercialização de suas partes em mercados asiáticos. Estima-se que existam somente 3,900 tigres selvagens no mundo, um número muito crítico para a espécie que corre risco sério de ser extinta na natureza.

Peles de tigres apreendidas. Fonte: WWF

Os rinocerontes estão em estado crítico também. Milhares são mortos todos os anos, principalmente por causa de seus chifres, que são considerados medicinais e afrodisíacos em países asiáticos.

Rinoceronte morto com o chifre arrancado para venda no comércio ilegal. Fonte: Internet

Margaret Kinnaird, responsável por Biodiversidade da WWF, lamentou a decisão chinesa:

“A retomada do comércio legal poderá não apenas servir para encobrir o tráfico clandestino, mas também para estimular uma demanda que havia baixado quando a proibição entrou em vigor”

As onças-pintadas também estão na mira

O mercado fomentado pela China não se resume apenas aos rinocerontes e tigres. Esta demanda milenar por partes de animais já atinge a América Latina, onde onças-pintadas estão sendo mortas para que suas presas e ossos abasteçam a demanda do mercado asiático, que a cada dia tende a crescer.

Cabeças de onças-pintadas encontradas pelo Ibama. Fonte: BBC Brasil

 

 

Por: Gustavo Figueirôa

Biólogo, Esp. em manejo e conservação da fauna silvestre.

 

Comentários

Envie sua mensagem