O Projeto Onçafari usa constantemente várias armadilhas fotográfica colocadas em locais estratégicos. Essas câneras tem um sensor de movimento que nos ajuda a identificar as areas mais usadas por onças pintadas e nos mostra onde devemos concentrar nossos esforços, já que o segredo da habituação é passar o maior tempo possível com as onças.

Não queremos apenas identificar as onças, mas tbm aprender mais sobre seus comportamentos, habitos e rotinas. Estamos constantemente aprendendo sobre esses magníficos animais. Por serem difíceis de achar e viverem em locais de difícil acesso, historicamente sabemos muito pouco sobre esses animais. As armadilhas fotográficas nos ajudam a documentar comportamentos que antes eram impossíveis de serem observados.

Nossa equipe identificou uma árvore que fica dentro dos perímetros do Refúgio Ecológico Caiman, area onde trabalhamos. Haviam várias marcas de garras em seu tronco. Deduzimos que algum felino deveria estar usando essa árvore. Então colocamos uma armadilha fotográfica em um galho. A câmera foi fixada, amarrada e deixada por um mês. Esperamos anciosos pelo resultado…
Descarregamos o cartão de memória, escolhemos os melhores vídeos, e editamos um pequeno clip. Assim vcs podem ver quais animais usaram essa árvore durante esse mês em que a câmera ficou lá registrando tudo o que acontecia. Um mês na vida de uma árvore – Acho que vcs vão achar fascinante. É até engraçado ver as coisas que acontecem na vida de uma árvore!
Em minha opinião a parte mais engraçada acontece aos 1min e 39 segundos do clip. Muito legal.

Mais uma interessante história do que acontece no Pantanal sendo revelada pelo Projeto Onçafari.

Nota: A onça pintada que aparece nesse vídeo é a Esperança. Ela recebeu o colar em Outubro de 2012 afim de sabermos exatamente qual é o território que ela ocupa. O colar registra pontos por gps, o que nos ajuda a interpretar seus movimentos. O colar caira automaticamente após dois anos.
Escrito por: Adam Bannister

Comentários

Envie sua mensagem