Onças-pintadas são animais territorialistas, ou seja, patrulham seu território para manter outras onças longe, ou para procurar alimento. Durante suas patrulhas, ocasionalmente onças podem aparecer próximo a áreas urbanas, o que pode ser um problema tanto para a onça quanto para os moradores.

No início deste mês de Maio, um caso virou notícia e repercutiu nacionalmente. Uma onça-pintada chamou a atenção de todos ao ser vista na área do Jardim Botânico (JB) da Universidade Federal de Juiz de Fora, em Minas Gerais. Localizado na área da Mata do Krambeck, no Bairro Santa Terezinha, em Juiz de Fora, o JB virou centro o das atenções de biólogos e especialistas em fauna.

Onça-pintada foi avistada circulando pela região do entorno do Jardim Botânico. O vigia de uma igreja próxima fotografou o animal durante a noite. Foto: Antônio Carlos Barbosa/Reprodução

Não só devido ao fato de uma onça-pintada estar transitando em área urbana, mas pela raridade deste encontro. Há mais de 80 anos não eram registradas onças-pintadas na região, que faz parte do bioma Mata Atlântica. Onças-pintadas são extremamente ameaçadas neste bioma, o que as torna extremamente raras. Para manter a segurança da população e do próprio animal, o jovem macho foi capturado para ser encaminhado a uma área protegida.

O felino foi encontrado em perfeitas condições de saúde, e agora será monitorado para que seja acompanhada sua adaptação ao novo ambiente. De acordo com o Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros, o CENAP, parceiros institucionais do Onçafari, a preocupação era de manejar o animal de forma segura, além do fato da onça ser um animal que costuma ser muito fiel ao lugar em que está – ou seja, sempre há a possibilidade de que ela deseje voltar para o território anterior.

Onça estava próxima da Universidade Federal de Juiz de Fora – Foto: Raul Mourão/UFJF

O deslocamento também tem ligação com o gênero. Enquanto as fêmeas costumam se estabelecer próximas das mães, os machos jovens tendem a procurar novos territórios, indo mais longe para tal.

Se tratando de uma espécie ameaçada de extinção, todo cuidado é pouco. A conservação, neste caso, venceu com um trabalho ágil e bem apurado para que a onça pudesse se reintegrar de forma segura a um ambiente mais adequado.

Comentários

  • Será que ninguém considerou a hipótese desta onça ser originária de um criadouro? Fuga ou soltura clandestina?

  • Fernanda disse:

    Sou de Juiz de Fora e conheço o JB, pois já realizei mtas coletas lá, se ele nao nasceu na mata do Krambeck, teria vindo de outro lugar… O que nos intriga, pois não há corredores, e também o fato dele nao se assustar c a presença humana, na ponte por exemplo, ficou mto tranquilo, isso nao seria um indício de que esse animal teria tido um contato maior com seres humanos? Nas margens do Rio existem mtas capivaras e a onça teria entrado em uma propriedade particular p comer galinhas… Nao seria outro indício? Como bióloga fiquei muito intrigada e gostaria da opinião de especialistas como vcs, desde já agradeço!

  • Raquel disse:

    Uma semana depois acharam outra onça morta na 040 próximo a Mercedes.
    Só não vê onça em Jf a 80 anos quem não quer

  • […] lembram do caso da onça-pintada encontrada em Juiz de Fora, que tomou a imprensa e chamou a atenção da população no mês de maio? Após toda a polêmica, […]

Envie sua mensagem